Relacionamentos – Crianças X Cães

Por Marcio Cerqueira

A maior parte de vítimas de ataques de cães são crianças. Estes ataques podem causar traumas, mas também podem ser evitados.

Pesquisas revelam que 80% da maioria das mordidas são rosto e que geralmente o cão que ataca pertence à família da criança, amigo ou vizinho, e os ataques ocorrem na casa de alguém.

Estes dados indicam que a maior parte dos ataques podem ser evitados através de supervisão, sensibilização das crianças, famílias e uma socialização eficaz do cão.
Claro que há ataques mortais, ataques considerados graves e ataques considerados ligeiros, mas porque expor uma criança a qualquer tipo de ataque se podemos apostar na prevenção?

Por que os cães mordem e como é que eles nos avisam?

Há muitas razões pelas quais um cão pode vir a morder uma criança:


1 – Pode estar guardando um objeto, comida ou ninhada.
2 – Pode estar protegendo o dono ou guardando a sua casa.
3 – Pode estar assustado ou sente-se ameaçado de alguma forma se a criança o agarrar, aproxima-se depressa demais ou se debruça sobre ele.
4 – Pode estar ferido.
5 – A criança pode tê-lo intimidado ou assustado através de uma pisada, puxar o pelo, cauda ou orelhas.
6 – O cão não aprendeu a pegar coisas das mãos das pessoas e acaba mordendo com força demais quando a criança lhe oferece um pedaço de comida ou brinquedo.
7 – A criança e o cão estão envolvidos numa brincadeira mais bruta e o cão fica excitado demais.
8 – O cão pode ver a criança como uma presa, se estiver correndo e gritando perto dele. 

Geralmente o cão dá sinais que irá morder, mas estes avisos podem ser tão sutis que muita gente acaba não percebendo. O cão pode parecer tolerar, porém ele esta evitando um confrontamento. Através dos comportamentos incomodativos de uma criança o cão pode vir a morde-la um dia, apanhando todos nós de surpresa.

Sinais que não devem ser ignorados:

1 – O cão que sempre levanta e se afasta da criança;
2 – O cão que vira a cabeça de maneira a evitar contacto visual com a criança;
3 – O cão boceja enquanto a criança se aproxima ou está interagindo com ele;
4 – O cão que de repente começa a se coçar ou lamber-se;
5 – O cão que revira os olhos expondo mais a parte branca;
6 – O cão que urina sobre a criança ou no local onde a criança estava;
7 – O cão que coloca a criança em submissão (cão com quatro patas em cima da criança);
8 - Cão que não da passagem para a criança, ficando à sua frente;

Muita gente pensa que o cão adora ter crianças abraçando-os e não se importa que elas puxem o seu pelo, cauda e orelhas, mas se detectarem alguns dos sinais mencionados, é preferível interpretarem como um aviso que o cão pode morder do que como uma coincidência.

O que os pais devem fazer?

Os pais devem supervisionar todas as interações entre o cão e a criança. Devem ensinar a criança como se comportar com o cão e reconhecer uma situação de potencial risco. Mesmo que a criança sofra uma leve mordida, ela deverá ser vista por um médico. Em caso de ataque grave, convêm que a criança seja acompanhada por um psicólogo para prevenir que fique traumatizada. 

Os pais devem dar exemplo e ensinar alguns procedimentos como:

1 – Não se aproximar de um cão desconhecido, mesmo que esteja na guia acompanhado pelo seu dono.
2 – Quando a criança visitar alguém que tenha um cão, não deverá ficar sozinha com ele.
3 – Ficar estática (parar, cruzar os braços , olhar para o chão) se for abordada por um cão desconhecido e hostil, e manter essa posição até o cão se afastar.
4 – Se o cão atacar e atirar a criança ao chão, a criança deve-se enroscar protegendo o rosto e o pescoço com as mãos e braços.
5 – Nunca olhar diretamente para os olhos do cão ou colocar o rosto perto do focinho do cão.
6 – Nunca tentar tirar um objeto da boca do cão.
7 – Não se aproximar de um cão que esteja comendo, bebendo, ou roendo um osso ou brinquedo.
8 – Nunca se aproximar de um cão que esteja sozinho dentro de um veículo.
9 – Nunca fazer festas a um cão através de um portão ou grade.
10 – Nunca entrar sozinha num quintal, mesmo que o cão pareça amigável.
11 – Nunca tentar separar dois cães que estejam lutando.
12 – Não perturbar cães que estejam dormindo, ferido ou cuidando de uma ninhada.
13 – Reconhecer que um cão que se prepara para morder, geralmente, rosna, mostra os dentes, tem o pelo eriçado e a cauda bem levantada.
14 – A criança deve brincar só com o seu próprio cão.
15 – Não deixe seu filho fazer o cão de brinquedo e muito menos de ursinho de pelúcia, lembre-se que ursinhos de pelúcia não mordem e não tem vontade própria.

Tanto crianças como adultos, podem e devem ter uma convivência pacifica com os cães, porém para isto acontecer é imprescindível que os cães tenham muita socialização (com crianças, carros, motos, animais, adultos, lugares diferentes, etc) e saibam obedecer aos comandos da obediência básica (junto, senta, deita, fica e aqui), porque é através destes comandos que nós podemos nos comunicar com os cães.